Notícias


Política Nacional de Resíduos Sólidos é debatida no Senado


O substitutivo da Câmara dos Deputados ao projeto de lei do Senado (PLS 354/89) que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos será debatido em reunião conjunta das Comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), de Assuntos Econômicos (CAE), de Assuntos Sociais (CAS) e de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) nesta quarta-feira (7), às 11h30 (CCJ, Anexo II, Ala Alexandre Costa, sala 5). A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, participa da reunião.

O projeto proíbe a criação de “lixões”, onde os resíduos são lançados a céu aberto. Todas as prefeituras deverão construir aterros sanitários adequados ambientalmente, onde só poderão ser depositados os resíduos sem qualquer possibilidade de reaproveitamento ou compostagem. Será proibido catar lixo, morar ou criar animais em aterros sanitários. O projeto proíbe a importação de qualquer lixo.

Com 58 artigos que ocupam 43 páginas, a Política Nacional de Resíduos Sólidos apresenta algumas novidades, entre elas a “logística reversa”, que obriga fabricantes, importadores, distribuidores e vendedores a realizarem o recolhimento de embalagens usadas. Foram incluídos nesse sistema agrotóxicos, pilhas e baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas (todas elas) e eletroeletrônicos.

Além disso, é introduzida na legislação a “responsabilidade compartilhada”, envolvendo a sociedade, as empresas, as prefeituras e os governos estaduais e federal na gestão dos resíduos sólidos. A proposta estabelece que as pessoas terão de acondicionar de forma adequada seu lixo para a coleta, inclusive fazendo a separação onde houver coleta seletiva.

A proposta prevê que a União e os governos estaduais poderão conceder incentivos à indústria de reciclagem. Pela nova política, os municípios só receberão dinheiro do governo federal para projetos de limpeza pública e manejo de resíduos sólidos depois de aprovarem planos de gestão. Os consórcios intermunicipais para a área de lixo terão prioridade no financiamento federal. As cooperativas de catadores de material reciclável foram incluídas na “responsabilidade compartilhada”, devendo ser incentivadas pelo poder público.

Com os incentivos e as novas exigências, o país tentará resolver o problema da produção de lixo das cidades, que chega a 150 mil toneladas por dia. Deste total, 59% vão para os “lixões” e apenas 13% têm destinação correta, em aterros sanitários. Em 2008, apenas 405 dos 5.564 municípios brasileiros faziam coleta seletiva de lixo.

*Com informações da Agência Senado
(ASCOM MMA)

Fonte: Mercado Ético

 

- A Boa Hora recepcionar Equipe Técnica pela Convenção de Estocolmo (CE) sobre Poluentes Orgânicos Persistentes–POPs
<p class="titulopaginas" align="center">A...
- Conama aprova resolução sobre lançamento de efluentes
O Conselho Nacional do Meio Ambiente aprova resolução...
- A gestão do lixo requer uma gestão compartilhada
Segundo o Manual de Gerenciamento Integrado -...
- Reputação e imagem levam empresas a adotar gestão ambiental
Sondagem Especial de Meio Ambiente, da Confederação...
- Brasil precisa substituir lixões por aterros até 2015
A implementação da Política Nacional de Resíduos...
- Plantas crescem menos com aquecimento global
Segundo um estudo publicado na revista Science,...
- Brasil fica em 2º lugar em ranking internacional de consumo verde
O Brasil ficou em 2º lugar - atrás apenas da Índia...
- Economia Verde frente às Mudanças Climáticas
Todo ano o estado de São Paulo realiza uma Conferência...
- Educação ambiental pode ser custeada por produtos descartáveis
Além disso, o projeto determina a aplicação em...
- CEF adota critérios para projetos de resíduos Sólidos
BRASÍLIA - A Caixa Econômica Federal instituiu...
- A construção de aterros sanitários no Brasil custa cerca de R$ 525,8 milhões
A construção de aterros sanitários no Brasil custa...
Logotipo Boa Hora
Menu:

 

 

 
Boa Hora Central de Tratamento de Resíduos - Rua Daniel Pedro Peralta, 925 - Mauá, São Paulo Fone/Fax: 4546-8220 - Desenvolvido por: Sarro Comunicação